Ozônio em Diálise

A inibição do crescimento bacteriano e remoção de biofilmes no circuito hidráulico de Unidades de Hemodiálise já são praticados de maneira altamente eficaz, oferecendo um alto nível de segurança aos usuários desses equipamentos.

O risco de contaminação da água utilizada em equipamentos de hemodiálise é altíssimo, pela ausência do Cloro, previamente removido através de carvão ativado. A solução de diálise apresenta nutrientes como sais minerais e glicose, como também nutrientes orgânicos provenientes do próprio paciente, gerados por ultra filtração e diálise.

O concentrado de Bicarbonato é um risco para gerar infecção, e a precipitação inerente de sais de cálcio e magnésio determina a formação de irregularidades na luz do circuito hidráulico, facilitando o alojamento e proliferação de bactérias, e geração de biofilmes.

Pode haver também espaço morto no circuito hidráulico interno, e períodos de estagnação de água sem cloro dentro das máquinas, entre as sessões de diálise. A indução de resposta inflamatória crônica nos pacientes em hemodiálise está bem determinada, tanto por lipopolissacarídios como exotoxinas.

Fragmentos de DNA de bactérias foram detectados recentemente no dialisato (solução de diálise), com uma capacidade comprovada de induzir resposta imune.

O Ozônio destrói bactérias, vírus, endotoxinas, esporos e biofilmes, devido à sua alta capacidade oxidativa. Não permite o desenvolvimento de resistência bacteriana, pois afeta a membrana citoplasmática e sistemas enzimáticos, determinando a lise das células.

O protocolo com Ozônio, além de ser muito mais eficaz do que com o Ácido Peracético, promove níveis significantes de redução no tempo de procedimento, podendo ser utilizado diariamente, sempre após o último turno de diálise, e em apenas 30 minutos, já que o Ozônio se transforma em Oxigênio após 15 minutos. Sendo assim, não existe risco de resíduos químicos permanecerem no circuito hidráulico, e o custo do Sistema com Ozônio é muito inferior ao Ácido Peracético, pois é gerado na própria unidade.

O Ozônio destrói por completo o biofilme e também suas bactérias, devido as altas taxas de oxi-redução. Estudos em segmentos removíveis de circuitos hidráulicos de equipamentos de hemodiálise comprovam isso, por meio de microscopia eletrônica.

Atualmente, mesmo em hemodiálise convencional, é recomendado um nível altíssimo de descontaminação, para que se evite reações inflamatórias crônicas em pacientes com níveis elevados de endotoxina na solução de diálise.

O correto emprego do Ozônio dissolvido na água surge como método seguro, prático e barato para a efetiva descontaminação de monitores de hemodiálise, que continua sendo uma preocupante dificuldade operacional. Esse método é altamente eficaz para prevenir e remover bactérias e biofilmes.

A OZONIC desenvolveu o Gerador OZONIC C20, com timer que permite a automação do processo, e é o mais indicado para esse fim.

OZONIC - pioneira na fabricação de geradores de Ozônio

Deixe uma resposta