O Ozônio já vem sendo utilizado em tratamento de água mineral há mais de um século, e nas últimas décadas tem conquistado um espaço cada vez maior perante um produto químico bem popular… O Cloro.

  • Em 1893, em Oudshoorm, Holanda, registrou-se a primeira utilização industrial do Ozônio como insumo de purificação no tratamento de água e, a partir de então, sua utilização nesse processo começou a aumentar;
  • Em 1914 já havia na Europa 49 estações de tratamento de água que utilizavam o Ozônio como insumo de limpeza principal e até a década de 70, Cloro e Ozônio eram utilizados em diversas estações de tratamento de água;
  • Em 1975 o Cloro sofre grande revés ao se descobrir sua relação com a formação de compostos cancerígenos (SNATURAL, 1989- 2011).

Água mineral e o Ozônio

O Brasil é o sétimo maior consumidor de águas engarrafadas no mundo, segundo o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A água mineral natural deve apresentar qualidade que garanta ausência de risco à saúde do consumidor, devendo ser captada, processada e envasada obedecendo às condições higiênico-sanitárias e as boas práticas de fabricação, sem alterar suas características originais.

A sanitização inadequada das embalagens ou a sua contaminação posterior, resulta na condenação do lote de água mineral. Segundo o Ministério da Saúde, neste produto não podem ser constatadas as presenças de E. coli ou coliformes (fecais) termotolerantes ou coliformes totais, enterococos, P. aeruginosa e/ou clostrídios sulfito redutores, em quantidade superior a 2 UFC/ml.

Numerosos compostos químicos utilizados na desinfecção provocam efeitos mutagênicos, com perigos referentes a resíduos potencialmente carcinogênicos nos alimentos ou embalagens.

O gás Ozônio apresenta características sanitizantes atraentes para a indústria alimentícia, por ser mais seguro e potente do que os desinfetantes convencionais, agir sobre um grande número de microrganismos, incluindo patógenos resistentes.

Além de ser reconhecido como seguro para o tratamento de garrafas de água (“General Recognized As Safe”-GRAS) pela “Food and Drug Administration” americana, ser utilizado efetivamente no tratamento da água para o consumo na Europa há mais de cem anos e na indústria de alimentos por décadas, o Ozônio não deixa resíduos tóxicos nos alimentos, capazes de alterarem o odor e o sabor dos mesmos.

Na água engarrafada, a água ozonizada é recomendada pela Intertional Bottled Water Association (IBWA). O Ozônio pode reduzir ou mesmo eliminar a necessidade de desinfecção química ou processos de altas temperaturas, com consequente redução de custos, com grandes benefícios, os quais vem sendo registrados em todas as partes do mundo.

Água mineral e desinfeção de garrafões: O sistema móvel pode ozonizar os seguintes pontos:

  • Poço artesiano;
  • Tanques de estocagem – evitando ou removendo formação de biofilme – Elimina deste modo as endotoxinas;
  • Máquina de lavar garrafões;
  • Linha de ênfase – PET – Água de envase (se desejarem);
  • Silos de garrafas, evitando a formação de fungos;
  • Pisos e salas de envase. CIP

Água com odor (Enxofre e sulfetos)

O Ozônio é altamente eficaz na oxidação de enxofre e sulfetos. O sulfeto de hidrogénio é por vezes encontrado na água subterrânea, tem odor de ovos podres e tem um limiar de 0,0011 mg / l. Pode também fazer com que a água tenha gostos desagradáveis.

O Ozônio oxida H2S em enxofre elementar, que então precipita como partículas amarelas brilhantes. Alguns vão se acumular no tanque de descarga ocasional, e alguns vão lavar em níveis baixos para a linha de tempestade. O excesso de enxofre pode então ser drenado e eliminado normalmente. Com base nas flutuações do pH, sulfito e sulfato também podem ser criados na corrente de água em níveis suficientemente baixos para a liberação padrão do dreno.

O Ozônio também pode oxidar as formas subseqüentes de enxofre

Análises: Bromatos, Pseudômonas Aeroginosas, Bolores (Fungos e Leveduras), Ferro/Bactérias, Biofilme, Cristoporídeos e Amebas.

Eliminação da formação de biofilme

O Ozônio é indicado para inibir o crescimento bacteriano e remoção de biofilmes de modo eficaz no circuito hidráulico. A presença de biofilmes reduz a eficiência de agentes químicos normalmente usados como desinfetantes, como Hipoclorito de Sódio e Ácido Peracético, gerando um ciclo vicioso, pois o aumento do biofilme interfere com a destruição de bactérias e endotoxinas.

O uso prévio de agentes físicos com propriedades descamantes, como o Ácido Acético, Ácido Cítrico ou Ácido. Já o Ozônio, por suas propriedades de oxi-redução, em concentração adequada, destrói por completo o biofilme e também suas bactérias, inclusive em estudos realizados em segmentos removíveis de circuitos hidráulicos de Unidades de Hemodiálise, sendo muito bem documentada a efetiva destruição do biofilme por meio de microscopia eletrônica.

Capa Rosa

O Ozônio elimina rapidamente o Ferro da água, formando um precipitado que pode ser filtrado. O filtro de areia verde (Zeólito de Manganês) é um meio filtrante oxidante preparado a partir do Glauconite (areia verde). É utilizado em conjunto com o Permanganato de Potássio na remoção de Ferro, Manganês e Sulfeto de Hidrogênio da água. O Ferro pode ser reduzido para menos de 0,1 ppm, menos do que o requerido para águas de abastecimento público.

Alguns pontos para sua utilização:

  • Remoção de mau gosto
  • Evitar o aparecimento de manchas, listras e riscos em itens manufaturados, tais como: tinturarias, indústrias de papel e têxteis.
  • O formato nodular e pequeno tamanho dos grãos, juntos, aliado a sua rugosidade e durabilidade garantem grande eficiência de filtração mesmo após anos de serviço contínuo.

Vantagens do Ozônio:

Os benefícios técnicos se juntam aos benefícios econômicos. Uma vez implementado, o tratamento utilizando Ozônio, se mostra mais barato para se operar do que o método com cloro. Uma vez obtido o equipamento, a geração do Ozônio é de baixo custo, quando comparado com a compra periódica requerida para os demais sanitizantes. A FDA classificou o Ozônio como Geralmente Reconhecido como Seguro ”(GRAS) para uso como desinfetante para água engarrafada até uma concentração residual de ozônio dissolvido de 0,4 mg / l.

Além disso, a FDA reconheceu o tratamento com Ozônio como sendo uma Boa Prática de Fabricação (BPF) para a indústria de água engarrafada. Este regulamento aparece no Código 21 dos Regulamentos Federais, seção 129.80 d.4 e apareceu pela primeira vez no Registro Federal 11566, de 12 de março de 1975. DIRECTIVA 2003/40/CE DA COMISSÃO DE 16 DE MAIO DE 2003 – Estabelece a lista, os limites de concentração e as menções constantes do rótulo para os constituintes das águas minerais naturais, bem como as condições de utilização de ar enriquecido em Ozônio para o tratamento das águas minerais naturais e das águas de nascente.

Como aplicar o Ozônio:

A aplicação de ozônio no tratamento de água mineral é bastante simples. A OZONIC tem experiência de mais de 30 anos , líder de mercado em água mineral.

Onde aplicar o Ozônio:

Assepsia de recipientes – O uso do Ozônio na desinfecção de recipientes (garrafas e tampinhas de garrafa, ou seja, barris, tinas, tanques, etc.) é uma aplicação comum. O Ozônio utilizado com protocolos e doses apropriados prevê saneamento eficaz e rápido em recipientes e tanques (ou seja, vidro, plástico, PET madeira, aço inoxidável, etc.). Além disso, quando utilizado no modo de recirculação, o Ozônio pode poupar centenas de litros de água durante o processo de saneamento.

A decomposição de Ozônio em Oxigênio não resulta em danos a embalagem ou no tanque, como é frequentemente o caso com produtos químicos halogenados, incluindo Cloro. Nenhum enxague após o saneamento é necessário, o que reduz o tempo e uso da água.

Assepsia da linha de engarrafamento e enchimento – Conservação de água e energia na linha de engarrafamento mantendo a esterilidade é uma grande preocupação para a indústria de bebidas.

O único “esterilizador a frio” – a capacidade de Ozônio, combinado com suas qualidades e não[1]poluente, além do baixo consumo de água, tornam uma excelente alternativa aos produtos químicos, vapor e água quente. A expansão e contração de componentes da linha de engarrafamento criado pelo calor contribuem para o estresse de longo prazo e danos às linhas de engarrafamento. O uso de água fria ozonizada elimina essas tensões, resultando em menos tempo ocioso da linha de engarrafamento e custo de manutenção.

Linha de Processamento e Equipamentos de Transferência – Sanitização da linha de processamento e de equipamentos de transferência (ou seja, lâminas cortantes, tabelas de classificação e caixas, tubos, bombas, etc.) é a principal preocupação na indústria de alimentos e bebidas. O Ozônio pode ser utilizado para esterilizar rapidamente todo o processamento de alimentos e equipamentos de transferência para eliminar a circulação de micróbios indesejáveis no interior da instalação.

Assepsia de superfícies – Sanitização de pisos, paredes, ralos e outras superfícies com o Ozônio reduz os micróbios (fungos, leveduras e bactérias), mantém uma instalação asséptica (P.A.), e elimina os odores do fundo.